Na outra margem, entre as árvores

Autor: Ernest Hemingway
Editora: Editado digitalmente por Livros do Brasil
ISBN: 972380719X

Português
296 páginas no formato papel
Formato: Digital, Kindle

Sinopse:
Na outra Margem, entre as Árvores é uma das melhores obras de ficção de Ernest Hemingway, onde o famoso escritor recria alguns episódios da segunda guerra mundial, magistralmente narrados por uma personagem muito ao gosto de Hemingway, o coronel Cantwell, velho combatente que passa as últimas vinte e quatro horas da vida na estranha e bela cidade de Veneza. Retrato de um mundo violento e conturbado, obtido através da imagem de um homem, Na outra Margem, entre as Árvores é uma obra-prima do genial autor de O Velho e o Mar, onde Hemingway mais uma vez manifesta as qualidades que o impuseram como um dos maiores escritores do nosso tempo.

Por que eu li?/Minha opinião:
Este foi o meu segundo livro do Ernest que li e confesso que no inicio fique um pouco decepcionado e achei, até o meio do livro que seria uma droga de leitura, de repente eu não conseguia mais parar de ler, e percebi uma característica que eu já havia visto quando li O Velho e o Mar, que é de deixar a parte boa do livro para o final.
Entre o livro O Velho e o Mar e Na outra margem, entre as árvores eu ainda prefiro O Velho e o Mar.
Porém, vamos esperar um pouco para ler Por quem os sinos dobram e dou uma opinião mais abrangente.

Nunca houve um Homem como Heleno


Escritor: Marcelo Eduardo Neves
Editora: Ediouro
ISBN: 85-00-01683-3

326 páginas
Português
Formato: Papel

Sinopse oficial:
Heleno de Freitas deixava um rastro de Carnaval por onde passava.

Primeiro, pelos dribles e gols com a camisa do Botafogo – foi o grande ídolo da Estrela Solitária na era pré-Garrincha. Depois, pelo aroma de lança-perfume que o envolvia, e não apenas nos três dias de folia – era dependente de éter e isso acelerou seu fim. Para Heleno, a vida era uma festa, interrompida por alguns momentos de lucidez.

E só muito mais tarde se descobriu: a festa era a sífilis, a loucura, a explicar sua fascinante dupla personalidade – em campo, ele era o carrasco dos adversários e dos companheiros, que ele humilhava por igual com seu inatingível perfeccionismo; fora dele, era o sedutor irresistível, que circulava pela sociedade carioca dos anos 1940 e arrebatava as mulheres.

Em Nunca Houve um Homem como Heleno, Marcelo Eduardo Neves resgata um ser humano que teria sido patético e marcante em qualquer atividade. O acaso quis que Heleno jogasse futebol, daí o ineditismo dessa narrativa: um drama quase cinematográfico, estrelado por um galã de calções e chuteiras – da praia aos estádios, das boates ao hospício, tudo isso em apenas 39 anos de vida, 305 jogos e 251 gols que valeram por mil.


(Ruy Castro, jornalista e escritor, na quarta capa do livro)

Por que eu li?
Tive curiosidade para saber se a vida de Heleno de Freitas era parecida com a de Edmundo. 

Minha opinião:
Muito bom o livro, realmente adorei. No inicio achei um pouco chato, já que não sou tão fã de futebol, mas depois, com o desenrolar da biografia vi que ele, não era tão mau assim.

Getúlio 1882-1930 – Dos anos de formação à conquista do poder

Escritor: Lira Neto
Editora: Companhia das Letras
ISBN: 978-85-359-2092-2

664 páginas
Português
Formato: Papel

Sinopse oficial:
Getúlio Dornelles Vargas (1882-1954) é a figura histórica sobre a qual mais se escreveu no Brasil. No entanto, na copiosa bibliografia dedicada a ele, não havia até agora uma biografia completa, de cunho jornalístico e objetivo, que procurasse reconstituir em minúcias a trajetória pessoal e política do personagem do modo mais isento possível.
A monumental trilogia Getúlio, de Lira Neto, da qual se lança agora o primeiro volume, vem suprir com sobras essa lacuna. Ao longo de dois anos e meio, o autor se debruçou sobre uma vastíssima gama de documentos – muitos deles inéditos ou pouco explorados – para ajudar a decifrar a “esfinge Getúlio” e mostrar como foi possível que convivessem no mesmo indivíduo o revolucionário, o ditador, o reformador social e o demagogo.
Sem desdenhar nenhum tipo de fonte ou arquivo, Lira Neto se serviu de cartas pessoais e memorandos oficiais, de diários íntimos, autos judiciais, boletins de ocorrência, notícias de jornal, anúncios de publicidade, charges, hinos, marchinhas, livros de memórias, entrevistas, depoimentos etc.
O resultado desse árduo trabalho, acompanhado de um mergulho na bibliografia histórica sobre o período, é um relato envolvente, por vezes eletrizante, ao qual o talento narrativo do autor confere a vivacidade e o ritmo de um bom romance.
A herança política caudilhista, sob a égide dos caudilhos gaúchos Julio de Castilhos e Borges de Medeiros; a formação positivista, com uma forte tendência anti-cristã depois abafada por conveniências políticas; as escaramuças da sangrenta política regional gaúcha; o aprendizado da política (e da politicagem) em âmbito nacional na capital da República; as relações ambivalentes com as velhas oligarquias e com a inquietação tenentista; o esboço das ideias trabalhistas e da tutela do estado sobre as relações entre o capital e o trabalho; o desenvolvimento de uma personalidade política ardilosa; a oscilante candidatura de oposição à presidência em 1930 e por fim a Revolução vitoriosa que liquidou a Primeira República e instaurou uma nova era na política brasileira – tudo isso é narrado de modo vívido neste primeiro volume.

Por que eu li?
Sempre me interessei bastante pela história do Brasil, e Getúlio é uma figura carismática que sempre despertou minha atenção, principalmente para entender o porque ele era tão amado pelo meu avô e tão criticado pelo meu pai.

Minha opinião:
O Lira Neto escreve maravilhosamente bem, nem parece que você está lendo um livro histórico biográfico pois em muitas oportunidades, com um tom de humor e romance você entra na história. Recomendo tanto que já está na minha lista de livros a continuação da saga de Getúlio. Uma boa opção para quem gosta da história do Brasil.