Nunca houve um Homem como Heleno


Escritor: Marcelo Eduardo Neves
Editora: Ediouro
ISBN: 85-00-01683-3

326 páginas
Português
Formato: Papel

Sinopse oficial:
Heleno de Freitas deixava um rastro de Carnaval por onde passava.

Primeiro, pelos dribles e gols com a camisa do Botafogo – foi o grande ídolo da Estrela Solitária na era pré-Garrincha. Depois, pelo aroma de lança-perfume que o envolvia, e não apenas nos três dias de folia – era dependente de éter e isso acelerou seu fim. Para Heleno, a vida era uma festa, interrompida por alguns momentos de lucidez.

E só muito mais tarde se descobriu: a festa era a sífilis, a loucura, a explicar sua fascinante dupla personalidade – em campo, ele era o carrasco dos adversários e dos companheiros, que ele humilhava por igual com seu inatingível perfeccionismo; fora dele, era o sedutor irresistível, que circulava pela sociedade carioca dos anos 1940 e arrebatava as mulheres.

Em Nunca Houve um Homem como Heleno, Marcelo Eduardo Neves resgata um ser humano que teria sido patético e marcante em qualquer atividade. O acaso quis que Heleno jogasse futebol, daí o ineditismo dessa narrativa: um drama quase cinematográfico, estrelado por um galã de calções e chuteiras – da praia aos estádios, das boates ao hospício, tudo isso em apenas 39 anos de vida, 305 jogos e 251 gols que valeram por mil.


(Ruy Castro, jornalista e escritor, na quarta capa do livro)

Por que eu li?
Tive curiosidade para saber se a vida de Heleno de Freitas era parecida com a de Edmundo. 

Minha opinião:
Muito bom o livro, realmente adorei. No inicio achei um pouco chato, já que não sou tão fã de futebol, mas depois, com o desenrolar da biografia vi que ele, não era tão mau assim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *