Mais Comédias para Ler na Escola

Escritor: Luís Fernando Veríssimo
Editora: Objetiva
ISBN: 9788573028959

Português
144 páginas
Formato lido: Digital, PDF

Sinopse:
Para o novo leitor, novas comédias: histórias ligeiras e saborosas que dão vontade de ler e sair logo contando – em casa, na rua, na sala de aula… e ninguém melhor para ajudar o jovem a mergulhar de cabeça no universo da literatura do que o grande contador de casos que é Luis Fernando Veríssimo.
Os textos de Veríssimo parecem feitos sob medida para os jovens (de todas as idades!), escritos no compasso do dia-a-dia, descobrindo o diferente e o fascinante que existe em todas as situações, quando observadas com um faro atento e um olhar curioso. Um cronista que penetra no coração das coisas e de lá extrai um humor irresistível.
Com a sabedoria de quem há quarenta anos revela aos brasileiros a sua própria literatura, a professora Marisa Lajolo fez uma seleção de crônicas com as quais não há como não se identificar: seja sobre saúde ou superstição, ritos de passagem ou conversas difíceis, as comédias de Veríssimo falam uma língua tão da gente que dá vontade de conversar, contando um outro exemplo conhecido…

Freddie Mercury – A Biografia Definitiva

Escritora: Lesley-ann Jones
Editora: Best Seller Ltda
ISBN: 9788576846123

Português
Formato lido: Digital, Kindle
490 páginas no formato papel

Sinopse:
Freddie Mercury dispensa apresentações. Mas o que há por trás desse mito do rock? Como ele era nos bastidores? Como foi sua infância e por que ele a escondeu tão bem? Freddie era uma figura pouco convencional no meio do showbiz. Carente, inseguro, com uma forte personalidade, fã de ópera, mitologia e astrologia, Farrokh Bulsara, também conhecido como Freddie Mercury, é um figura que merece ser conhecida de perto. Freddie Mercury — A biografia é uma ótima oportunidade para isso.

O que eu achei:
Bom, só isso. Esta edição tem muitos erros, aparentemente faltou uma boa revisão. Não achei que foi um livro feito com carinho, achei que foi feito um pouco sem vontade. Histórias interessantes, mas você pode bem passar sem ler que não vai aumentar o seu conhecimento do Freddie Mercury ou do Queen.

Caim

Escritor: José Saramago
Editora: Companhia das Letras
ISBN: 9788535915396

Português
176 páginas se lido no formato papel
Formato Lido: Digital, MOBI

Sinopse:
Se, em “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, José Saramago nos deu sua visão do Novo Testamento, neste “Caim” ele se volta aos primeiros livros da Bíblia, do Éden ao dilúvio, imprimindo ao Antigo Testamento a música e o humor refinado que marcam sua obra. Num itinerário heterodoxo, Saramago percorre cidades decadentes e estábulos, palácios de tiranos e campos de batalha, conforme o leitor acompanha uma guerra secular, e de certo modo involuntária, entre criador e criatura. No trajeto, o leitor revisitará episódios bíblicos conhecidos, mas sob uma perspectiva inteiramente diferente.
Para atravessar esse caminho árido, um deus às turras com a própria administração colocará Caim, assassino do irmão Abel e primogênito de Adão e Eva, num altivo jegue, e caberá à dupla encontrar o rumo entre as armadilhas do tempo que insistem em atraí-los. A Caim, que leva a marca do senhor na testa e portanto está protegido das iniquidades do homem, resta aceitar o destino amargo e compactuar com o criador, a quem não reserva o melhor dos julgamentos. Tal como o diabo de O Evangelho, o deus que o leitor encontra aqui não é o habitual dos sermões: ao reinventar o Antigo Testamento, Saramago recria também seus principais protagonistas, dando a eles uma roupagem ao mesmo tempo complexa e irônica, cujo tom de farsa da narrativa só faz por acentuar.
A volta aos temas religiosos serve, também, para destacar o que há de moderno e surpreendente na prosa de Saramago: aqui, a capacidade de tornar nova uma história que conhecemos de cabo a rabo, revelando com mordacidade o que se esconde nas frestas dessas antigas lendas. Munido de ferina veia humorística, Saramago narra uma estranha guerra entre o homem e o senhor. Mais que isso, investiga a fundo as possibilidades narrativas da Bíblia, demonstrando novamente que, ao recontar o mito e confrontar a tradição, o bom autor volta à superfície com uma história tão atual e relevante quanto se pode ser.


Por que eu li?
Nobel da literatura de 1998.  Fazia tempo que José Saramago estava na minha lista de pendências de leitura. Como no Llosa, fui super preconceituoso e procrastinei ao máximo para ler. Nem sei o porque iniciei com este livro, mas foi uma boa introdução ao Saramago.

O que eu achei:
Bom, foi difícil no começo me adaptar ao esquema de escrita do José Saramago, basicamente são capítulos inteiro sem parágrafos definidos em que você tem que ler como uma explosão, e dá a impressão de que vai perder o folego pela falta de pontuação. Confesso que me perdi muitas vezes por não ser alertado com pontos de exclamação e interrogação, bem como os diálogos não são bem definidos.
Entendo que está é sua característica principal, quero dizer, este dialogo quase que como você estivesse ouvindo as personagens. Só fui me adaptar no meio do livro.

A trama e o humor são também características envolventes do José Saramago, e depois que você se adapta ao tipo de escrita não quer mais parar de ler.

Tempo de leitura: 176 páginas em 2 dias. Média de 88 ao dia.

Diálogos Impossíveis

Escritor: Luís Fernando Veríssimo
Editora: Objetiva
ISBN: 9788539004133

Português
Formato Lido: Digital, Kindle
176 páginas quando no formato pepel

Sinopse oficial:
Drácula e Batman discutem no asilo. Robespierre tenta subornar o carrasco. Goya e Picasso conversam sob o sol da Côte d’Azur. Juvenal planeja matar a mulher, Marinei, que o despreza. A recém-casada Heleninha pede conselhos ao urso de pelúcia.
Qual um existencialista dotado de senso de humor, Veríssimo persegue em suas crônicas o absurdo que marca a existência humana – salvo engano, a única que se preocupa com o seu propósito, o seu término e se alguém está falando demais na hora do pôquer. Em nenhum momento essa maldição se torna mais evidente do que na hora em que o homem abre a boca. Então, o que era para comunicar acaba é “estrumbicando”. Nas crônicas reunidas neste volume, Luis Fernando Veríssimo escreve sobre impossibilidade, incomunicabilidade e mal-entendidos. Escreve, enfim, sobre a vida.

O que eu achei:
Não são os melhores contos do Luís Fernando Veríssimo, mas vale a pena para passar o tempo.

Tempo de leitura: 176 páginas em 1 dia. … Estou roubando para ficar com crédito no projeto de um livro por semana…

O apanhador no campo de Centeio

Escritor: J.D. Salinger
Editora: Editora do Autor
ISBN: 8587575015

Português
Formato lido: Digital, Kindle
208 páginas quando no formato digital

Sinopse oficial:
Um garoto americano de 16 anos relata com suas próprias palavras as experiências que ele atravessa durante os tempos de escola e depois. Revela o que se passa em sua cabeça. O que será que um adolescente pensa sobre seus pais, professores e amigos?

Por que eu li?
Titulo sem compromisso, mas que engana bastante. Um baita livro.

Qual foi a minha opinião:
Excelente escritor, fácil leitura e que te cativa. Aqueles livros que você não quer parar de ler até chegar ao final, e quando chega ao final você fica “p” da vida pois não era o final que você imaginava, ou queria. Com certeza este cara tem que escrever a continuação, se é que ainda não escreveu. Vou procurar saber mais sobre este escritor pois achei muito bom.

Tempo de leitura: 104 páginas por dia.

Comédias da Vida Privada

Autor: Luís Fernando Veríssimo
Editor: Objetiva
ISBN:

Português
Formato: Digital, MOBI

Minha Sinopse:
As Comédias da Vida Privada são 101 crônicas – pequenas estórias de humor sobre as ironias do cotidiano – divididas em 6 capítulos:

  1. Fidelidade e infidelidades – 14 crônicas
  2. Encontros e desencontros – 16 crônicas
  3. Eles e ou Elas – 41 crônicas
  4. Família – 13 crônicas
  5. Pais e Filhos – 5 crônicas
  6. Metafísicas – 8 crônicas.

O Presidente Negro

Escritor: Monteiro Lobato
Editora: Globo
ISBN: 9788525046901

Português
212 páginas quando em formato papel
Formato: Digital, MOBI

Sinopse Oficial:
Enquanto Barack Obama e Hillary Clinton disputavam a Casa Branca em 2008, a Editora Globo lançou O Presidente Negro, único romance adulto de Monteiro Lobato. Embora ainda não tivesse pisado em terras norte-americanas quando escreveu esse livro, Lobato ambienta sua história futurista nas terras de Henry Ford. Em 1926 o autor publicou o romance com o título O Choque e, duas décadas depois, mudou o nome para O Presidente Negro. A obra aborda temas como a segregação entre brancos e negros, aculturação, feminismo e ainda profetiza o surgimento de uma rede pela qual as pessoas se comunicariam e trabalhariam à distância. Através das lentes do “porviroscópio”, aparelho capaz de prever o futuro, Lobato leva os leitores para 2228, ano em que o personagem Jim Roy concorre à presidência dos Estados Unidos.

Por que eu li?
Sempre tive curiosidade de ler um livro de Monteiro Lobato que não fosse Sítio do Pica-pau Amarelo.

Qual foi a minha opinião:
Cara, realmente o Monteiro Lobato era uma mente privilegiada. Ele aborda assuntos que em 1926 não deveria fazer o minimo sentido, e ele estava muito a frente de seu tempo tratando, por exemplo de sistemas de votação, ondas de rádio e como as pessoas leriam seus jornais (algo parecido com a Internet) e alguns comportamentos que só começaram a fazer sentido agora, nos anos 2000.
Também é interessante ver a opinião velada do autor sobre racismo.
Na minha opinião este é o 1984 tupiniquim, e não deixa, guardada as devidas restrições de um autor que morava na fazenda e somente escrevia histórias de criança, nada a desejar para o George Orwell.
Livro impressionante e faz sentido estar em sua lista de leitura.

Tempo de leitura: 10 dias, com média de 21 páginas por dia.

Travessuras da Menina Má

Autor: Mario Vargas Llosa

Editora: Ponto de Leitura
ISBN: 9788539000920

Português
400 páginas no formato Papel
Formato lido: Digital

Sinopse Oficial:
Nos anos 50, no bairro aristocrático de Miraflores, em Lima, o jovem Ricardo Somocurcio se apaixona pela estonteante e misteriosa “chilena” Lily. Depois de descobrir que, na verdade, ela é peruana e de origem humilde, ele a perde de vista, mas não consegue esquecê-la.
Ricardo, um intérprete da ONU sem grandes ambições, e Lily, mulher fria e manipuladora que vive mudando de nome e de marido conforme as conveniências, se reencontram ao longo da vida, em diferentes momentos e em várias cidades do mundo. Travessuras da menina má conta esta história de encontros e desencontros através de quatro décadas.

Por que eu li?/Qual minha opinião:
Definitivamente entendi que PRÉ-CONCEITO na leitura (e em qualquer outra atividade que desconhecemos) não deve existir. Este foi um exemplo claro disso.
Estou com o livro de Mario Vargas Llosa em minhas mão a muito tempo e por puro pre-conceito não li. Não sei dizer que tipo de pré-conceito, eu acho que é por ele ser politico e ter se candidatado a presidente do Peru eu tenha desconfiado um pouco dele, mas o fato é que perdi um baita tempo em minha vida de leitor por ter tido pré-conceito.
Maravilhosa a maneira que ele escreve, aborda os fatos e cria situações, tipico livro que você não consegue parar de ler.
Com certeza este será o primeiro de muitos livros que irei ler do Miguel Vargas Llosa.

Tempo de leitura: 5 dias, com média de 80 páginas por dia.